InícioIgrejaA agenda do Papa Francisco para 2022

A agenda do Papa Francisco para 2022

O Papa Francisco planeia publicar uma constituição para reformar a Cúria Romana, fazer várias novas nomeações para altos cargos no Vaticano, fazer um consistório para criar novos cardeais, celebrar o 10º Encontro Mundial das Famílias em Roma e, dependendo da situação da covid-19, visitar países no Oriente Médio, Ásia, África e Europa, todos em 2022.

O papa, que celebrou seu 85º aniversário em 17 de dezembro, está claramente pensando em não diminuir o ritmo. O papa está em boa saúde, e seus planos para 2022 indicam que ele está carregando seus deveres como pontífice com muito mais vigor; não aparece nenhuma renúncia ou conclave no horizonte.

Uma agenda tão cheia seria assustadora até mesmo para um homem ojvem, mas o papa, que celebra seu 85º aniversário em 17 de dezembro, não planeia diminuir o ritmo.

Como o cardeal Oswald Gracias falou em entrevista à revista America, dos jesuítas estadunidenses, a atitude de Francisco em relação ao papado pode ser resumida como “O Senhor me escolheu, o Senhor me protegerá até quando ele quiser. Eu estou a fazer o meu melhor, e quando ele quiser, ele me dispensará”.

Reforma da Cúria Romana

No final de junho de 2022, a fase final da reestruturação e fusão dos escritórios do Vaticano deverá ser concluída. O Pontifício Conselho para a Cultura será incorporado à Congregação para a Educação Católica, e o Pontifício Conselho para a Nova Evangelização será incorporado à Congregação para a Evangelização dos Povos.

Logo após o Natal, o papa confiou ao Pontifício Conselho para a Nova Evangelização a tarefa de preparar o Ano Jubilar de 2025, mas atualmente não está claro qual será o impacto dessa tarefa na fusão.

Também resta saber que mudanças Francisco introduzirá no Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral, visto que nomeou o cardeal jesuíta Michael Czerny como seu prefeito interino e a irmã salesiana Alessandra Smerilli como sua secretária.

O papa deve publicar a tão esperada constituição para a reforma da Cúria Romana, “Praedicate Evangelium”, no primeiro semestre de 2022. O cardeal indiano Oswald Gracias, membro do Conselho de Cardeais do papa disse que espera que seja publicado até a Páscoa (17 de abril), se as traduções em diferentes idiomas estiverem concluídas até então.

Mudanças nos cargos da Cúria Vaticana

Papa Francisco provavelmente substituirá muitos, senão todos, dos seguintes altos funcionários do Vaticano no ano novo, uma vez que muitos do clero nessas posições já passaram da idade de aposentadoria do Vaticano de 75. Aqueles que provavelmente serão substituídos incluem:

O cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, que fará 80 anos em outubro;

O cardeal Luis Ladaria Ferrer, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (78 em abril);

O cardeal Marc Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos (78 em junho);

O cardeal Leonardo Sandri, prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais (79 em novembro);

O cardeal Giuseppe Versaldi, prefeito da Congregação para a Educação Católica (79 em julho);

e o arcebispo Marcelo Sánchez Sorondo, presidente da Pontifícia Academia das Ciências (80 em setembro).

Isso abre a possibilidade de Francisco nomear pelo menos sete novos clérigos para cargos de liderança no Vaticano no próximo ano. Se o fizer, pela primeira vez em seu pontificado, todos os altos funcionários do Vaticano serão os escolhidos por ele (até agora alguns são de escolha do Papa Bento XVI e confirmados por Francisco).

Novos cardeais nomeados em 2022

Quando o ano de 2021 se aproximava do fim, o Colégio dos Cardeais tinha um total de 120 eleitores – o número máximo permitido, conforme estabelecido pelo Papa Paulo VI em 1975 – mas 10 desses eleitores farão 80 anos em 2022 e, portanto, perderão o direito de votar em um conclave papal. Espera-se que Francisco faça um consistório para fazer novos cardeais, provavelmente no segundo semestre do ano. Ele nomeará pelo menos 10 novos cardeais eleitores, o que aumentaria o número de eleitores criados por ele no Colégio Cardinalício até o final de 2022 para pelo menos 72.

Entre os que deverão receber o chapéu vermelho estão três altos funcionários do Vaticano que Francisco nomeou em 2021: o arcebispo Arthur Roche, da Inglaterra, que é prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos; O arcebispo Lazzaro You Heung-sik, da Coreia, que é prefeito da Congregação para o Clero; e o arcebispo Fernando Vérgez Alzaga, da Espanha, que é o presidente da Pontifícia Comissão para o Estado da Cidade do Vaticano e do Governatorato do Estado da Cidade do Vaticano.

Encontro Mundial de Famílias de 2022

O Papa Francisco participará do 10º Encontro Mundial das Famílias, que será realizado em Roma de 22 a 26 de junho. O evento terá um “formato descentralizado, com iniciativas locais em dioceses de todo o mundo”, para permitir a quem não pode viajar devido à pandemia para participar, segundo o Dicastério para os Leigos, Família e Vida.

“Enquanto Roma permanecerá o local designado, cada diocese poderá ser o centro de um Encontro local para suas próprias famílias e comunidades”, se lê no site do dicastério.

Viagens e visitas apostólicas do Papa Francisco em 2022

Francisco já é o segundo papa que mais viajou na história, atrás apenas de João Paulo II. Ao longo dos oito anos do seu pontificado, ele fez 35 viagens internacionais e visitou 53 países. O papa planeia fazer mais viagens em 2022, embora o Vaticano não tenha confirmado nenhuma. Embora algumas dessas visitas – incluindo ao Sudão do Sul e ao Líbano – estejam sujeitas a mudar pela situação política local, todas elas estão condicionadas à situação da covid-19, tanto na Itália quanto no país de destino.

Francisco têm planos provisórios de visitar o Sudão do Sul com o arcebispo da Cantuária, Justin Welby, provavelmente em meados de 2022 para promover a reconciliação e consolidar o acordo de paz entre facções étnicas em conflito. Mas a ida dele dependerá, entre outras coisas, se o acordo de paz foi totalmente implementado. O arcebispo Paul Gallagher, secretário do Vaticano para as relações com os Estados, visitou o Sudão do Sul na semana antes do Natal, no que os insiders interpretaram como uma missão de reconhecimento para avaliar se o país está pronto para uma visita papal.

Fontes do Vaticano, que pediram para permanecer anónimas porque não estavam autorizadas a falar, disseram aos Estados Unidos que se Francisco for ao Sudão do Sul, é provável que também visite a República Democrática do Congo, um país que tem sofrido muito com o conflito armado sobre o nas últimas décadas – grande parte dela ligada ao acesso aos raros minerais do país. A República Democrática do Congo tem a maior população católica da África e é um dos 10 países católicos mais populosos do mundo.

O Papa Francisco pretende visitar o Líbano o mais rápido possível, para dar consolo e esperança ao povo de um país que, embora tenha sofrido muito, deu refúgio a um grande número de refugiados sírios nos últimos anos, mas que agora vive graves crises humanitárias e econômicas.

Ele também quer fortalecer as relações entre cristãos e muçulmanos no país. O Líbano é a única nação árabe com uma grande população cristã, onde muçulmanos e cristãos governam conjuntamente. No entanto, ele não pode visitar até que haja um governo estável e funcionando no país.

Francisco também pretende visitar Malta no próximo ano, mas somente após as eleições do país, o que provavelmente significa depois de meados de abril.

Fontes do Vaticano, que desejaram manter o anonimato porque não foram autorizadas a falar sobre o assunto, disseram à América que o papa provavelmente visitará Papua Nova Guiné, Indonésia e Timor Leste, com escala em Singapura, no segundo semestre de 2022. Ele tinha planeado visitar esses países em 2020, mas a viagem teve de ser adiada por causa da pandemia de covid-19. Ele agora sente que deve uma visita a eles e espera fazê-lo no próximo ano. A Indonésia tem a maior população muçulmana do mundo, enquanto Timor Leste – que ocupa cerca de metade de uma ilha entre a Indonésia e a Austrália – é o país mais católico da Ásia, per capita.

No verão, o papa também poderia visitar Santiago de Compostela, na Espanha, para a conclusão do Ano Santo, que deveria ter terminado em 2021, mas que Francisco estendeu até 2022 por causa da pandemia.

Francisco também indicou que gostaria de visitar a Hungria. Durante sua visita a Budapeste em setembro para o Congresso Eucarístico Internacional, ele prometeu ao presidente e ao primeiro-ministro húngaro que voltaria em 2022 ou 2023. Fontes do Vaticano dizem que esta visita agora poderia ocorrer em 2022. Essa visita poderia talvez criar a oportunidade para um segundo encontro tête-à-tête com o Patriarca Russo Kirill de Moscou no Pannonhalma Archabbey, o mosteiro beneditino na Hungria fundado em 996 d.C. que se tornou um ponto focal ecuménico (o primeiro encontro, o primeiro entre um bispo de Roma e um patriarca de Moscou, aconteceu em Havana, Cuba, em 2016).

Enquanto isso, no hemisfério ocidental, o Papa Francisco deve visitar o Canadá em uma peregrinação de cura e reconciliação em 2022. Mas uma visita de vários representantes de povos indígenas ao Vaticano, que estava marcada para dezembro de 2021, foi adiada devido à pandemia. A viagem ainda não foi remarcada, sugerindo que o papa provavelmente visitará o Canadá em 2023.

Da mesma forma, a visita do Papa Francisco à Índia provavelmente ocorrerá no início de 2023, não em 2022, como disse o cardeal Oswald Gracias, presidente da Conferência dos Bispos Católicos da Índia, em uma entrevista recente.

Relações China-Vaticano

Santa Sé e a China assinaram um acordo provisório em 22 de setembro de 2018, em Pequim, sobre a nomeação de bispos na China continental, e que seria revisto dois anos depois. Os dois lados concordaram em renová-lo em outubro de 2020 por mais dois anos. Quando essa extensão acabar, em outubro de 2022, o Papa Francisco decidirá como proceder, dado que os frutos do acordo provisório foram muito menores do que o Vaticano esperava.

Sínodo sobre a Sinodalidade – “Por uma Igreja Sinodal: Comunhão, Participação e Missão”

Francisco abriu o sínodo sobre o tema “Por uma Igreja Sinodal: Comunhão, Participação e Missão” no dia 17 de outubro de 2021, e o processo continuará até que a assembleia plenária de representantes dos bispos do mundo seja realizada no Vaticano em outubro de 2023. O processo sinodal deve envolver toda a Igreja, começando no nível diocesano. É quase certo que Francisco acompanhará  como essa fase diocesana está a ser implementada ao longo de 2022, e ele talvez pudesse dar uma série de catequeses sobre o tema da sinodalidade em suas audiências públicas de quarta-feira.

Fonte: America

Deixe uma resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

20 − seventeen =

NOTÍCIAS RECENTES

Publicidade

spot_img

MAIS LIDAS