17
Qui, Out

Por que vomitamos ao ver ou sentir o cheiro de algo nojento

Saber Mais
Tipografia

Sentidos como a visão e o olfato mandam mensagens para o cérebro, que reage de forma superprevenida. 

 

Quando ingerimos algo que faz mal ao corpo ele normalmente expele o conteúdo. É uma reação de proteção, provocada quando o organismo entra em contato com a substância considerada tóxica. A questão é: por que vomitamos, às vezes, apenas ao ver ou sentir o cheiro de determinadas coisas, apenas por achar nojento? 

A explicação é basicamente a mesma: trata-se de um mecanismo de proteção do corpo. No caso, um pouco mais complexo, pois envolve diversos sentidos (a visão, o olfato) ligados ao sistema nervoso, que se comunicam e mandam mensagens ao cérebro para que ele, por sua vez, emita o comando de contração do estômago. Os estímulos para o vómito são detectados por receptores sensoriais e propagados até o centro do vómito no tronco encefálico. 

Essa região cerebral é conhecida como "centro do vómito". Cheia de receptores, ela funciona como uma zona de gatilho, que desencadeia a reação que leva ao vómito quando recebe informações para tanto. 

O centro do vómito ativa uma sequência de eventos caracterizados por inspiração profunda e contração dos músculos abdominais, condição que aumenta a pressão intra-abdominal, comprime o estômago e favorece a saída do seu conteúdo para o exterior, através da boca. 

A ação da memória Coisas 

com má aparência ou que cheiram mal geralmente são tóxicas ao corpo, então ele reage antes mesmo de entrarmos em contato direto com elas. O corpo está, de certa forma, sendo superprevenido. O mecanismo funciona igual quando nos aproximamos de algo que já nos fez sentir mal em outra situação, pois esses sentidos estão bastante associados à memória. Isso explica, também, porque as consideradas “coisas nojentas” têm efeitos diferentes nas pessoas: alguém que cresceu no interior, por exemplo, provavelmente não se sentirá nauseado ao ver o abatimento de um animal. Isso porque a cena não lhe traz uma impressão ruim, como a carne viva provavelmente traria a alguém da cidade. O cérebro, ainda, pode ser treinado, os sentidos, adaptados e o comportamento, modificado. É a partir do contato constante com tripas, sangues e ferimentos, por exemplo, que médicos se adaptam a uma cena que a princípio causa repulsa. 

O dedo na garganta 

Existe também o vómito induzido, que acontece quando colocamos o dedo no fundo da garganta. Ele funciona pois o movimento estimula terminações do nervo vago (par de nervos cranianos), que passa pelo pescoço, pelo tórax e abdome, até chegar ao centro do vómito. A ação é perigosa, pois pode machucar o esôfago.

 

TN com informações do Nexo e gauchazh.clicrbs.com.br