17
Qui, Out

Férias. Qual é a sua história

Saber Mais
Tipografia

“É o mês de dezembro, mas a cidade toda está coberta de suor”, escreve o filósofo Sêneca no começo de uma carta. O motivo para as pessoas do hemisfério norte passarem calor em dezembro — e para Sêneca reclamar — era a agitação por conta da celebração da Saturnália.

“Férias" vem de “feriae”, em latim, que eram os dias de festas religiosas, quando os romanos não trabalhavam. A maior de todas era a Saturnália, de início comemorada no dia 17 de dezembro. Depois, passou a durar três dias, e então, uma semana. Para Sêneca, parecia durar um ano.

Nos dias de Saturnália, apenas os cozinheiros trabalhavam, já que tinham que preparar os banquetes para as festividades. Fora isso, todos celebravam. Os escravos faziam as vezes de senhor, e os senhores, de escravo. Aos primeiros era dada total liberdade para debochar dos senhores, recriminá-los por abusos, maus tratos ou vícios.

Podiam dizer todas as verdades em tom de piada, e o senhor era obrigado a achar graça. Quem não soubesse rir de si mesmo teria de pular de cabeça n’água. O escravo mandava, o senhor obedecia; os dois festejavam. Em um de seus textos, Horácio escreve do ponto de vista de um escravo que, numa Saturnália, diz a seu mestre: “Quem sabe não é você o mais tolo de nós dois? […] Você, que tem controle sobre mim, é sujeito a tantas outras coisas; e é guiado como uma marionete, por fios e cabos que não domina”.

A festa era tida como uma retomada completa da “era de Saturno”, quando o estado de igualdade entre todos seria maior que qualquer injustiça das instituições humanas. Um rei da festa, “Saturnalicius princeps”, era eleito por sorteio, todos se saudavam dizendo “io, Saturnalia” e trocavam presentes.

Na época de Horácio, 66 dias por ano eram dedicados às diversas “festae”; na de Sêneca, sob governo de Tibério, eram 87. Um século mais tarde, o ano seria dividido em 150 dias de férias, 215 dias de trabalho.

O imperador Trajano, no começo do século 2 d.C., chegou a decretar quatro meses seguidos de “festae”. Em Cabo Verde, pode-se tirar no máximo 30 dias corridos de férias do trabalho — mas nós temos finais de semana, coisa que os romanos não tinham.

 

TN com informações da Internet