24
Sab, Ago

Por que trabalhamos cinco dias por semana

Saber Mais
Tipografia

Tradições milenares, religião e convenções sociais da época da revolução industrial moldaram a nossa rotina de hoje.

 

Um ano dura 365 dias porque é esse o tempo que a Terra leva para dar uma volta completa ao redor do Sol. O mesmo vale para a duração de um dia, que tem 24 horas porque o planeta demora esse tempo para dar uma volta em torno de si mesmo. Mas não existe nenhum fenômeno natural que acontece a cada sete dias.

Por que, então, dividimos a vida e o mundo em semanas de sete dias - e por que convencionou-se que, desses sete, trabalharíamos cinco deles (na maior parte das vezes)?

A resposta passa por tradições de povos antigos, religiões e convenções sociais impostas no início da revolução industrial.

A origem dos sete dias da semana

O hábito de dividir a semana em sete dias foi herdado dos babilónios, civilização que ocupou a região da mesopotâmia e teve seu auge por volta de dois mil anos antes de Cristo.

O uso do sete tem a ver com a crença, pelos babilónios  de que esse era um número especial: eles acreditavam, por exemplo, que havia sete planetas no sistema solar. Dos babilónios  a prática se espalhou entre os egípcios, gregos e em Roma.

Os povos judeus também adotaram, em algum momento, um calendário com sete dias na semana - depois de um exílio na Babilônia no século seis antes de Cristo, especula-se. Entre os judeus e os babilónios  o sétimo dia da semana era especial, embora por motivos diferentes.

Os babilónios proibiam uma série de atividades no sétimo dia, considerado de “má sorte”, oravam e faziam ofertas aos deuses. Os judeus guardam o sétimo dia, que no calendário da religião é o sábado, para o descanso e a adoração a Deus.

A palavra sábado, aliás, vem do hebreu “shabath”, que significa “ele descansou” - que também tem relação com o dia de descanso de Deus depois de criar o universo em sete dias no livro Gênesis, da Bíblia.

‘Dias úteis’ estão relacionados às indústrias Ford

No início da revolução industrial, os operários trabalhavam entre 14 e 16 horas por dia, por pelo menos seis dias da semana. A folga era no domingo para garantir que os trabalhadores católicos pudessem cumprir com as doutrinas da religião, que pede que o domingo seja guardado para oração.

Em algumas fábricas, a semana útil com cinco dias de trabalho começou a ser instituída para acomodar também os hábitos dos trabalhadores judeus, cuja religião exige que o sábado seja um dia de oração.

Nos anos 1920, Henry Ford, das indústrias Ford - uma das protagonistas da revolução industrial nos EUA - decidiu implantar um regime de trabalho feito de cinco dias úteis, seguidos de dois dias de folga, com oito horas de trabalho em cada dia.

Ford percebeu que os empregados produziam mais e rendiam melhor sob este regime, que garantia mais horas de sono, de descanso e de lazer. A crise de 1929, conhecida como A Grande Depressão, consolidou os dois dias de folga na semana como um antídoto para o desemprego.

Por que há propostas para rever o calendário de trabalho

Em 1928, o economista John Maynard Keynes propôs que cem anos depois, em 2028, a semana de trabalho teria apenas 15 horas - três por dia. Keynes estava provavelmente errado, mas há linhas de estudo que defendem um regime de trabalho mais curto.

Em 2013, a organização econômica New Economics Foundation defendeu a instituição de uma semana de trabalho de 30 horas. Outra campanha defende a redução da jornada para 20 horas semanais.

Além dos benefícios para a qualidade de vida dos trabalhadores, um regime geral que previsse menos trabalho na semana também reduziria emissões de carbono e gastos com saúde, por exemplo. Também garantiria oferta maior de empregos e equilíbrio de salários em setores com oferta de mão-de-obra saturada.

Desde setembro de 2015, jornadas de trabalho de 30 horas por semana são a regra em um asilo na Suécia. A experiência faz parte de uma tentativa do governo sueco de explorar alternativas para as práticas tradicionais de trabalho. Os cuidadores e enfermeiros da casa de repouso, que antes trabalhavam por oito horas todos os dias, agora trabalham por seis horas - e ganham o mesmo salário. 

A experiência inspirou outras organizações suecas a fazer o mesmo, com benefícios para a produtividade e a saúde dos funcionários. Mas há desvantagens: o Comité para o Desenvolvimento Económico, organização norte-americana que realiza estudos sobre temas relevantes para o desenvolvimento, diz que jornadas de trabalho menores farão crescer a desigualdade de salários e a polarização do mercado de trabalho, com o desaparecimento de empregos da classe média, diminuição dos benefícios trabalhistas e o aumento da diferença de salários entre homens e mulheres, por exemplo.

Há também um impedimento cultural, destacado em outro estudo. Em muitas culturas, por razões religiosas ou históricas, o valor do indivíduo é dado de acordo com o quanto ele se dedica ao trabalho - diminuir as horas de trabalho por semana, portanto, seria atacar normas e conceitos sociais tão profundamente estabelecidos.