16
Qua, Jan

O que fazer para digerir melhor uma grande refeição

Saber Mais
Tipografia

Caminhadas, posições de ioga e digestivos alcoólicos: o ‘Nexo’ fez um apanhado de dicas para a digestão fluir bem. 

 

Na temporada de festas de fim de ano, excessos no consumo de alimentos e bebidas costumam ter consequências desagradáveis, como ressaca, indigestão, azia, sensação de estufamento abdominal e prisão de ventre.

A digestão completa, da ingestão da comida à sua eliminação total do organismo, dura em média 53 horas. Isso pode variar de acordo com o organismo de cada um e com aquilo que se comeu, levando de 24 a 72 horas.

Mulheres levam mais tempo para digerir em relação aos homens por uma questão metabólica, e alimentos ricos em proteínas apresentam digestão mais longa em relação àqueles ricos em fibras.

Isso porque proteínas e gorduras são moléculas mais complexas e, portanto, mais difíceis de serem quebradas pelo organismo. Carnes levam pelo menos dois dias para serem totalmente digeridas, enquanto frutas e vegetais, ricos em fibras, “atravessam” o organismo em menos de um dia.

Terra Nova traz abaixo um apanhado de dicas que contribuem para uma digestão mais rápida e eficaz, livre de desconfortos estomacais e intestinais:

Água

É recomendável beber água durante e depois da refeição para hidratar, fazer a digestão fluir e evitar a constipação intestinal. A água também afeta a sensação de saciedade, prevenindo que se coma muito além do necessário.

O melhor é que a água esteja em temperatura ambiente (a água gelada desacelera o processo de digestão). Acrescentar algumas gotas de óleo de hortelã-pimenta também tem efeito digestivo e é especialmente benéfico para aqueles que sofrem da síndrome do intestino irritável.

Líquidos digestivos

Depois de comer, alguns digestivos facilitam o trabalho do organismo: é o caso dos chás de ervas, acrescidos idealmente de gengibre, que é um poderoso digestivo. Ele é, aliás, útil em todas as suas formas, porque estimula o fluxo salivar e as contrações do estômago e promove o esvaziamento gástrico.

Há também as bebidas alcoólicas servidas após as refeições com o propósito de melhorar a digestão, chamados também de digestivos: conhaque, grapa, sambuca, vermute e Jägermeister estão entre os que cumprem esse papel.

Os licores herbais amargos contêm ervas carminativas – dotadas da propriedade de eliminar os gases –, como manjericão, cardamomo e erva-doce.

Além disso, o cérebro foi treinado para entender o amargor como sinal de que algo é venenoso, e por isso, ao percebê-lo, envia sinais para o estômago de que o que está nele seja eliminado rapidamente, o que contribui para que a digestão seja feita mais depressa.

Posição corporal

Não é recomendado deitar imediatamente depois de comer. O melhor é esperar pelo menos três horas após a refeição e deitar virado para o lado esquerdo, posição que protege da azia e contribui para a atuação da gravidade, ajudando os dejetos a passarem pelo cólon, parte central do intestino grosso, já que nossos órgãos internos não são simétricos.

Algumas posições básicas de ioga também são citadas entre as dicas para digerir melhor.

A postura Vajrasana, conhecida também como postura do diamante, é uma delas. Consiste em ajoelhar no chão e sentar sobre as pernas, com as costas eretas e pode ser executada de cinco a quinze minutos após a refeição. Acredita-se que estimule os rins, fígado e pâncreas, e por isso ajuda na digestão. A Bhadrasana, a postura da borboleta, também é mencionada como benéfica para a digestão.

A ioga tem ainda um gesto feito com a mão, chamado “pushan mudra” ou gesto da digestão. Acredita-se que esteja associado ao estômago, fígado e vesícula biliar. Ele sofre algumas variações conforme o que se está tentando prevenir  – como gases ou refluxo.

Exercícios

Sair para correr ou fazer alguma outra atividade algumas horas antes da refeição ajuda a dinamizar o metabolismo.

Para quem não puder ou quiser se exercitar antes, fazer uma caminhada cerca de duas horas após terminar uma grande refeição também contribui. O exercício físico combate a prisão de ventre –  mexer-se faz com que o intestino também se mexa.