16
Qua, Jan

O Tempo Comum ocupa a maior parte do ano litúrgico. O fato de ser denominado “Tempo Comum” não significa que seja menos importante. Antes mesmo de se organizarem as festas anuais (Natal e Páscoa), com seus tempos de preparação e prolongamento, o Tempo Comum foi a primeira realidade na vivência do Mistério Pascal.

De 17 a 23 de dezembro, durante a semana que precede o Natal, as sete antífonas que acompanham o cântico do Magnificat nas Vésperas da Liturgia das Horas, são composições poéticas que formam uma série conhecida como as “antífonas maiores”, comumente chamadas de “antífonas do Ó”, porque todas elas iniciam com a exclamação e invocação “Ó” dirigida a Jesus Cristo.

A Palavra de Deus apresenta-nos hoje uma alternativa. Na primeira leitura (Génesis 3, 9-15. 20; Salmo 97, 1. 2-3ab. 3cd-4) é o ser humano que nas origens diz não a Deus. No Evangelho (Lucas 1, 26-38) está Maria que, na anunciação diz sim a Deus. Em ambas as leituras, é Deus que procura o ser humano.

Mais artigos...