23
Qua, Set

Vida de contrastres

Opinião
Tipografia

A nossa vida no mundo é uma vida de contraste, ou paradoxal. 

Opinião de Frei Willian Monteiro

Falamos muito de amor e saudades. Somos nostálgicos e sentimentalistas, mas, ao mesmo tempo, somos violentos e agressivos. Como muitos dizem, “o amor e o ódio andam juntos”. A minha pergunta é: Porquê esse comportamento de violência e agressividade?

Vejo mulheres que sofrem violências físicas e verbais, crianças maltratadas e violadas e homens assassinados por causa de uma simples troca de palavras. 

E penso: Porquê isso tudo? O que nos leva a cometer tantos erros? Onde será que nasce tanta violência? Será que não pensamos nas consequências de cada erro ou maldade?

Muitos dizem que isso é hereditário, vem da nossa história, do nosso passado. Outros dizem que nasce no seio da família e outros por causa do desemprego e da pobreza. 

Temos que descobrir o sentido da nossa vida e o porquê do nosso viver hoje. 

Ser obediente à nossa consciência não é fácil, já que ouvimos tantas vozes e temos dentro de nós tanto sofrimento que o tempo não apaga, mas podemos evitar fazer sofrer os outros, escutando a voz do bem.

Para combater esse paradoxo de sentimentos, podemos observar aquele que sofreu sem fazer e cometer nenhum crime, e também desenvolvendo um novo olhar para a vida e para as pessoas, ver o outro não como um mal a superar, mas como um bem a abraçar.

Podemos utilizar o amor como um instrumento que transforma a vida.

Como disse Santo Agostinho, "A medida do amor é amar sem medida." Então, devemos mudar o nosso comportamento em relação ao próximo, que não é um estranho, mas nosso irmão e irmã. Devemos amar o próximo sem medida, e sem esperar nada em troca. 

Comecemos a falar menos de amor e demostrá-lo com sinceridade, porque falamos e pronunciamos essa palavra sem necessidade e ela está perdendo o seu verdadeiro significado em nossas vidas.

Se o amor è dar a vida pelo próximo, então antes de cometer qualquer erro ou violência, contra o próximo ou a si mesmo, pensa se está realmente a fazer o que é chamado a ser (ser amor).