12
Ter, Nov

A Lei de Paridade será a maior desgraça contra o mérito, a conquista, a paixão pela política

Opinião
Tipografia

A LEI DE PARIDADE, caso vier a ser aprovada e promulgada, será a maior desgraça contra o mérito, a conquista, a paixão pela política e o exércio livre e democrática da cidadania activa e participativa.

Opinião de  José Henrique Freire de Andrade.

A Constituição da República de Cabo Verde de 1992, consagra o princípio de igualdade em razão do sexo, dai que, a garantia de paridade, está aqui devidamente garantida.

A referida Lei de paridade, vai violar, seguramente, o princípio da proporcionalide, da equidade, do equilíbrio e da justiça.

Viola igualmente, o princípio da vontade popular, pois, o povo vai ter que votar numa lista, que forçosamente as Mulheres irão ser colocadas em lugar legíveis, com base numa Lei ilegitimamente aprovada por determinados Deputados maquiados de democráticos e ultraliberais.

As Mulheres devem conquistar os seus lugares na Política e em particular nas listas dos órgãos electivos, em pé de igualdade com os Homens, sem proteção da referida Lei, que será violadora do princípio da vontade popular e do princípio da igualdade.

Temos várias Mulheres que conquitaram legitimamente os seus lugares de forma meritória, competente e séria! A título de exemplo, vou apontar duas delas, sendo uma do MpD e a outra do PAICV: Isaura Gomes e Janira Hopffer Almada.

Senhores Deputados, deixam de tretas(kkk), estamos a falar de um assunto muito sério.

O Maior Homem que já viveu nesta face da terra, aliás, o maior Líder de todos os tempos, Jesus, filho de David, escolheu para a sua vida messiânica 12 (doze) Discípulos, todos eles HOMENS. Agora eu pergunto: Quem sois vós para estar a teimar e a prosseguir com esta criação legislativa, sem qualquer ratio?

Só mesmo em Cabo Verde! Pois, em outras bandas, nas democracias modernas e nos Governos liberais, nem sequer esta saga fora aventada, por uma leiga feminista e/ou por um defensor qualquer.

Nada contra! Mas as coisas devem acontecer de forma serena e atempada, com respeito pelos princípios consignados na Constituição da República, e as sábias doutrinas político-constitucionais de um ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO.

Cuidado!

Esta Vossa ideia veio de onde?