22
Sex, Mar

Opinião de José Maria Neves: O RISCO DE MATAR-NOS UNS AOS OUTROS

Opinião
Tipografia

Cada um, legitimamente, tem da política e dos políticos uma avaliação própria, que resulta dos seus sentimentos sobre as atitudes e os comportamentos dos principais atores políticos ou a efetividade das políticas públicas.

Quando os políticos agridem uns aos outros, tentando destruir e eliminar os adversários, estão, quiçá inconscientemente, a destruir a si próprios e a comprometer, muitas vezes irremediavelmente, a imagem de toda a classe política.

A pedagogia política é, pois, fundamental. António Damásio escrevera que é importante “educar massivamente as pessoas para que aceitem os outros... se não houver educação massiva, os seres humanos vão matar-se uns aos outros”

Os partidos e os políticos têm profundas responsabilidades na educação para a cidadania, um dos grandes desafios da democracia . Bobbio escrevera que a educação para a cidadania é uma das promessas não cumpridas da democracia.

Educar para a cidadania na linha da defesa da liberdade, da democracia, da amizade e da tolerância. Aceitar os outros é reconhecer a diferença, é ser tolerante.

A democracia é o debate de ideias. Se nos estribarmos na desejável diferença de ideias, para os debates que são necessários, se aceitarmos que todos têm direito à palavra, se trabalharmos para que as políticas públicas contribuam para o bem comum e para a melhoria da qualidade de vida das pessoas, a política resulta aos olhos dos cidadãos como atividade humana nobre.

O cansaço das instituições democráticas e o desprestígio da política e dos políticos têm muito a ver com a falta da educação e de preparação para o debate.

Tempo de, em Cabo Verde, pensarmos mais sobre a política, o papel dos partidos e dos políticos, a finalidade dos debates e a fundamental importância da liberdade de espírito e da tolerância para a consolidação da democracia.

A educação política precisa-se, hoje mais do que nunca. A educação para a cidadania é tão necessária quanto urgente. Se não corremos o risco de matar-nos uns aos outros.

 

Opinião expressa no perfil de Facebook do autor. Publicado pelo TN com a sua devida autorização.