22
Qui, Out

Quem foi o adolescente que pode virar ‘santo padroeiro da internet’

Igreja
Tipografia

Carlo Acutis, jovem italiano que morreu em 2006, está a um passo de ser canonizado pela Igreja.

 

A Igreja beatificou o jovem italiano Carlo Acutis no sábado (10). Acutis morreu em 2006, aos 15 anos, em decorrência de uma leucemia. Em vida, foi reconhecido por criar um site que listava todos os milagres registrados pela Igreja e por espalhar as lições dos Evangelhos na internet.

O processo de beatificação acontece após a Igreja Católica reconhecer que o indivíduo em questão teve papel ativo na realização daquilo que é conhecido, na fé católica, como um milagre – a Carlo Acutis é atribuída a cura de uma criança no estado brasileiro de Mato Grosso do Sul.

Com o status de beato, Acutis está a um passo de se tornar o “santo padroeiro da internet”, título que pode ser declarado pelo Papa, caso o jovem venha a ser canonizado. Para isso, é necessário que a Igreja reconheça um segundo milagre atribuído a ele.

A vida de Carlo Acutis

Carlo Acutis nasceu em Londres no ano de 1991. Seus pais, italianos, se mudaram para a cidade de Milão – ao norte da Itália – quando ele ainda era um bebê.

Os pais de Acutis não eram católicos praticantes – a mãe dele afirmou que, antes de seu nascimento, tinha ido à missa em poucas ocasiões –, mas desde pequeno ele demonstrou grande devoção às tradições católicas, frequentando a igreja diariamente, confessando-se semanalmente e tentando viver de acordo com os ensinamentos de Jesus Cristo registrados na Bíblia.

Assim como tantos outros jovens de sua geração, Carlo Acutis demonstrou facilidade e entusiasmo com tecnologias digitais desde cedo – os videogames e os computadores eram alguns de seus passatempos favoritos.

Em 2006, aos 15 anos, ele foi diagnosticado com leucemia. Na ocasião, ele afirmou que todo o seu sofrimento para lutar contra a doença seria ofertado “a Deus, ao Papa e à Igreja”.

“Estou destinado a morrer”, afirmou Acutis em um vídeo gravado logo depois do diagnóstico. Ele morreu em 12 de outubro daquele ano, meses após descobrir a doença.

Um ano antes, em 2005, Acutis tinha criado um site para catalogar todos os fenómenos que foram reconhecidos pela Igreja Católica como milagres após a morte de Jesus – presumidamente por volta do ano 33 da Era cristã. A plataforma, que ainda está no ar, separa esses episódios por países e épocas, funcionando como um acervo virtual.

Acutis foi enterrado na cidade de Assis, região central da Itália, local de nascimento de São Francisco, santo de quem era devoto. Seu corpo está exposto na cidade desde o dia 1º de outubro de 2020.

O milagre atribuído a ele

Em vida, Acutis foi conhecido não só por sua devoção, mas também por sua gentileza com os outros. Logo após sua morte, fiéis do mundo todo passaram a orar para o jovem, pedindo que ele intercedesse na vida deles.

O milagre atribuído a Carlo Acutis está relacionado a Matheus Vianna, um adolescente que atualmente tem 13 anos e mora em Campo Grande, capital do estado de Mato Grosso do Sul.

Vianna nasceu com uma anomalia no pâncreas, que fazia com que ele vomitasse tudo que ingerisse. Também sentia fortes dores no abdômen.

Em 12 de outubro de 2013, o padre Marcelo Tenório, da paróquia Nossa Senhora da Saúde, em Campo Grande, realizou uma missa dedicada a Acutis, expondo aos fiéis um pedaço de uma roupa que pertenceu ao jovem, tradição que se repete anualmente desde 2011.

Naquela ocasião, Vianna se aproximou do tecido e pediu para que parasse de vomitar. No mesmo dia, de acordo com seus familiares, o garoto pediu para comer e não vomitou mais.

Desde então, os exames de Matheus Vianna deixaram de mostrar a anomalia congênita. Rosangela Salgado, pediatra que acompanha Vianna desde seu nascimento, afirmou ao Fantástico, da TV Globo, que não há nenhuma explicação para o desaparecimento do problema.

“A ciência não explica isso. [A anomalia só teria desaparecido] só se fosse cirurgicamente. Existia um exame alterado, depois eles não mostravam mais a má-formação”, disse, em reportagem veiculada no dia 11 de outubro de 2020.

Médicos do Vaticano também não encontraram uma explicação para o ocorrido, investigando o caso durante o processo de santificação de Acutis. Isso não significa que ela não possa vir a surgir futuramente.

Como é o processo de santificação na Igreja Católica

A santificação dentro da Igreja Católica é feita em quatro etapas: o reconhecimento de um Servo de Deus, a aquisição do título de Venerável, a beatificação e, finalmente, a canonização.

Os passos são divididos em duas partes, a fase diocesana – que tramita na diocese (administração católica local) que era frequentada pelo candidato a santo – e a fase romana, que corre diretamente no Vaticano.

Durante a santificação, surgem as figuras dos postuladores, uma espécie de “advogado de defesa”, que, por meio de suas investigações e deliberações, precisa apresentar evidências à Igreja Católica de que o candidato a santo tem as características necessárias para avançar no processo e ganhar a santidade.

1. Os Servos de Deus

A primeira etapa da santificação é o pedido de reconhecimento de que a pessoa em questão é um “Servo de Deus”, feito por fieis que conheceram, conviveram ou admiram o candidato a santo. A demanda é analisada pelo bispo da diocese à qual o fiel pertencia. Se o pedido for aprovado, o processo prossegue para as etapas seguintes.

Os Servos de Deus são pessoas que, em vida, se engajaram de alguma forma com a propagação da causa cristã – no caso de Acutis, a criação do site que listava os milagres.

“Ele não descansou em uma zona de conforto”, afirmou o papa Francisco no documento que tornou Acutis beato. “Ele entendeu os desafios do próprio tempo porque viu o rosto de Cristo em seu momento mais fraco.”

2. O título de Venerável

É a etapa mais longa. Nesse processo, o postulador analisa a vida do candidato a santo, buscando nele um martírio, caracterizado pelo grande sofrimento em vida, ou virtudes que fazem com que ele se destaque, como a fé, esperança e caridade – no caso de Acutis, a batalha contra a leucemia e o fim precoce de sua vida.

Caso o postulador veja o candidato a santo como um mártir ou alguém virtuoso, é dado o título de Venerável. Acutis recebeu esse título em julho de 2018.

3. A beatificação

Para que o Venerável seja beatificado, é necessário que a Igreja Católica reconheça um milagre, nos parâmetros da fé católica, que tenha acontecido por meio de sua ação. É esse título que Acutis obteve em 10 de outubro de 2020.

4. A canonização

Para que a canonização seja reconhecida e o processo de santificação concluído, é necessário que a Igreja Católica reconheça um segundo milagre, também nos parâmetros da fé da religião, atribuído ao candidato, concluindo todo o processo.

O que é um milagre, segundo a Igreja Católica

O conceito de milagre dentro da Igreja Católica reúne fenómenos ocorridos após a morte do candidato a santo. O episódio precisa ter efeitos instantâneos e permanentes, e não pode ser explicado pela ciência ou pela medicina. A investigação fica a cargo de médicos e cientistas do Vaticano.

A ausência de uma explicação no momento da investigação não significa que não haja uma, que pode vir a ser descoberta futuramente, de acordo com o desenvolvimento da própria ciência e da medicina, posicionando os fenómenos sob a ótica do método científico. As lacunas, inclusive, são parte importante da construção do conhecimento.

Os milagres de santos e beatos costumam estar relacionados à cura de doenças, porém há fiéis que creditam fatos como a conquista de empregos, casamentos e o fim de crises familiares a milagres. Esses, contudo, não são reconhecidos pela Igreja Católica.

‘Santo’ ou ‘São’? Como a decisão é feita

Há uma regra dentro da Igreja Católica para determinar como os santos serão chamados.

As mulheres que são canonizadas sempre são chamadas de Santas, seguidas de seu nome. A diferenciação ocorre nos homens que foram canonizados: caso seu nome comece com uma vogal, ele será chamado de “Santo”, como é o caso de Santo Agostinho ou Santo António.

Caso o nome comece com uma consoante, ele será chamado de “São”, como São Francisco e São Paulo. Será o caso de São Carlo Acutis, caso ele venha a ser santificado no futuro.

O que significa ser santo

A palavra santo tem origem no latim sanctu, que significa algo ou alguém “estabelecido segundo a lei” e que “se tornou sagrado”.

Para a Igreja Católica, os santos estão no céu, junto a Deus, aguardando a segunda vinda de Jesus Cristo à Terra. A Igreja define santos como figuras que estão em ligação direta com a Santíssima Trindade. Dentro do cristianismo católico, os santos seriam “pequenos Cristos”.

Os santos acumulam centenas de fiéis, devotos às suas causas. Os fieis de São Judas Tadeu consideram-no “o santo das causas impossíveis”, uma figura divina que traz auxílio em momentos de grande angústia. São Francisco de Assis é considerado o “santo protetor dos animais”. Santo António, popular em todo o mundo, foi apelidado de “santo casamenteiro”, por supostamente ajudar os fieis na busca por um relacionamento amoroso.

 

TN - Redação (com informações do Nexo)

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS