19
Dom, Mai

Uma rivalidade tecnológica por trás da guerra comercial entre Estados Unidos e China

Arte e tecnologia
Tipografia

Por trás de sua guerra comercial, Estados Unidos e China lutam pelo domínio tecnológico. Enquanto os estadunidenses estão decididos a conservar sua vantagem sobre os chineses no setor, estes estão desesperados para tomar a dianteira.

 

Os drones

O número um mundial em drone civil é um chinês. DJI, fundado em 2006, em Shenzhen (sul), por um jovem apaixonado pelo modelismo, produz 70% dos drones civis do planeta. Não existe concorrente de peso estadunidense, após a empresa californiana GoPro se retirar deste setor. Um controle sobre o setor que apresentou algum problema a Washington: em 2017, o exército estadunidense proibiu o uso de drones DJI por razões de segurança.

China sem GAFA

Alguns especialistas estão preocupados com o risco de haver um mundo partido em dois por uma “cortina de ferro tecnológica”. Já na China, os BATX (Baidu, Alibaba, Tencent, Xiaomi), aproveitando a proibição de todas as redes sociais e de motores de busca estrangeiros, substituem os GAFA (Google, Apple, Facebook, Amazon) e têm ambições internacionais.

Os gigantes de pagamento com cartão de crédito (Visa, Mastercard, AmericanExpress), penalizados na China por uma legislação muito restritiva, estão marginalizados por atores chineses (Alipay, WeChat, UnionPay) e pela tendência a realizar os pagamentos por smartphone.

Beidou contra o GPS

No setor da geolocalização, a China se afastou do GPS estadunidense e criou seu próprio sistema de navegação por satélite, Beidou (literalmente “Ursa Maior”).

Como garantia de independência estratégica e económica, apoia-se em uma rede de uns 30 satélites e estará em pleno funcionamento em todo o mundo, a partir do próximo ano.

“Fabricado na China 2025”

Ser autónomo no âmbito tecnológico e desenvolver suas próprias habilidades. Este é o objetivo do ambicioso programa “Made in China 2025”, que busca converter o gigante asiático numa potência das novas tecnologias: da indústria aeroespacial às telecomunicações, passando pela robótica, biotecnologia e veículos elétricos.

Pequim almeja a autossuficiência tecnológica em 70% dos componentes e materiais estratégicos para o ano 2025.

Este plano “aterrador”, segundo Washington, complicou as conversas comerciais entre China e Estados Unidos e fortaleceu sua desconfiança mútua.

Huawei, líder da 5G

Durante muito tempo, Washington considerou como uma ameaça o gigante chinês das telecomunicações, por causa do passado de seu fundador, Ren Zhengfei, de 74 anos, ex-engenheiro no Exército chinês, e uma lei em 2017 que exige que as companhias chinesas cooperem com os serviços de inteligência do país.

O governo dos Estados Unidos proibiu que suas agências adquiram equipas da Huawei, por temer que Pequim possa espiar suas comunicações e acessar infraestruturas fundamentais no país. Os Estados Unidos também aumentaram a pressão sobre seus aliados para que proíbam a Huawei nas suas infraestruturas de redes.

A diretora financeira do grupo, Meng Wanzhou, durante muito tempo favorita para suceder a seu pai na direção da Huawei, também está na mira de Washington, que a acusa de ter contrariado as sanções contra o Irão. Presa no Canadá em dezembro, MengWanzhou pode ter que prestar contas à justiça dos Estados Unidos, proximamente.

China Mobile descartada

Os Estados Unidos rejeitaram a solicitação da China Mobile de entrar em seu mercado de telecomunicações por considerar que seus laços com Pequim ameaçam a “segurança nacional”. Tal decisão demonstra mais uma vez a importância estratégica das telecomunicações e da tecnologia no confronto entre as duas potências.

Corrida de patentes

Segundo a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), os Estados Unidos detêm o primeiro lugar, mantido durante quatro décadas em número de patentes apresentadas internacionalmente, mas podem ser superados pela China em 2020.

Em 2017, data dos últimos dados disponíveis, duas empresas chinesas dominaram o pódio mundial: Huawei (4.024 solicitações) e outro gigante chinês das telecomunicações ZTE (2.965 patentes). A primeira empresa estadunidense estava apenas em terceiro lugar: Intel (2.637).

(A reportagem é publicada por Rebelión)

 

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS