14
Sab, Dez

Conheça a música que bateu o recorde de 'Despacito'

Música
Tipografia

Com letra de memes e polémica quanto ao seu género musical, sucesso de Lil Nas X passou 17 semanas consecutivas no topo da parada da Billboard.

 

“Vou levar meu cavalo para a velha estrada da cidade” parece um verso inusitado para uma letra de rap, género tão urbano e contemporâneo. É apenas um de vários aspectos idiossincráticos do sucesso de “Old Town Road”, de Lil Nas X, música que bateu o recorde de permanência no topo da lista de sucessos dos EUA.

No fim de julho de 2019, “Old Town Road” tinha chegado à 17ª semana consecutiva na posição mais alta da parada da Billboard, que contabiliza diversos parâmetros de execução e vendas para situar uma música no ranking. Com o feito, a música ultrapassou “Despacito”, sucesso de Luis Fonsi e Daddy Yankee, de 2017, e “One Sweet Day”, de Mariah Carey com Boyz II Men, de 1995.

Em português, a música ganhou versão própria produzida pela Kondzilla (Brasil). A cargo de MC Jottapê e MC M10 feat. DJ RD, a reinterpretação foi baptizada de “Sentou e Gostou”. Tinha 27 milhões de visualizações no YouTube em 30 de julho de 2019.

Com beats eletrônicos e timbres de banjo, “Old Town Road” promove uma fusão da música country com o rap. Seu criador é um jovem de 20 anos do estado americano da Georgia, versado na cultura da internet e que nunca tinha montado um cavalo. Alçado ao estrelato, Nas aproveitou para revelar ao mundo que é gay, um posicionamento raro nos universos machistas tanto do rap como do country.

Há diversos fatores que ajudam a entender como essa combinação musical inusitada conseguiu fincar o pé por mais de quatro meses na parada de sucessos mais influente do mundo. Talvez o mais importante seja o fato de “Old Town Road” não ser apenas um hit musical, mas também um viral de internet.

Uma letra de memes

Nas contou à imprensa americana que, durante a adolescência, seu tempo fora da escola era gasto navegando na internet. Apesar da formação musical, seu talento se revelou inicialmente em comentários e repostagens engraçadas no Twitter. Enquanto suas graças alcançavam milhares de likes e compartilhamentos, as músicas próprias passavam batido.

Em 2018, ouviu no YouTube uma base rítmica que lhe agradou. O autor do instrumental se chamava YoungKio, um holandês com a mesma idade que ele. A base composta pelo produtor havia sido construída em torno de um sample de banjo de uma música do grupo de rock industrial americano Nine Inch Nails, sucesso na década de 90. YoungKio nunca tinha ouvido falar de Nine Inch Nails nem tinha imaginado a sonoridade como “country”.

Nas pagou 30 dólares pela batida e tratou de encaixar rimas por cima. Sem familiaridade com a cultura do country, procurou referências no Google. O título “velha estrada da cidade” foi escolhido porque “soava como um lugar verdadeiro do campo”, segundo contou à revista Rolling Stone. Frases foram selecionadas por seu potencial “memético”. “Pensava (...) ‘preciso ter versos citáveis que as pessoas irão querer usar como legendas’”, explicou.

Quando subiu a música no SoundCloud, Nas usou a tag “country” para classificar a obra. Era estratégico: “rap” ou “hip hop” eram categorias muito mais congestionadas de competidores. Entretanto, a música decolou mesmo no TikTok, rede social que tem como público principal os adolescentes. Inicialmente, caiu nas graças de alguns influenciadores da rede. Depois, “Old Town Road” virou música de acompanhamento de uma brincadeira viral que utilizava os recursos de edição do Tik Tok: usuários se filmavam em roupas normais para, no segundo seguinte, reaparecerem com roupas de cowboy. 

Lançada em dezembro de 2018, a música adentrou os caminhos mais tradicionais da indústria em março de 2019. Rádios começaram a tocá-la. Como não havia lançamento oficial, utilizaram inicialmente uma versão de qualidade baixa extraída do YouTube. Nas assinou com a gravadora Columbia, que lançou uma nova versão, desta vez com a participação do veterano cantor de country Billy Ray Cyrus, pai da cantora pop Miley Cyrus.

Country negro

Para comentaristas culturais, a música também se beneficiou de uma tendência apelidada de “Yeehaw agenda” (em referência à interjeição de euforia associada a cowboys americanos). Desde 2018, signos e alusões ao universo country começaram a aparecer na cultura popular negra americana.

Perfis no Instagram e coleções de estilistas apareceram explorando o recorte. Na música, o chapéu de cowboy e a jaqueta de franjas começaram a ser vistos em shows e clipes. A rapper Cardi B foi destaque do Rodeio de Houston, que juntou 75 mil pessoas em março de 2019. Enquanto isso, Solange Knowles destacou a história dos cowboys negros, figuras apagadas da história do seu Texas natal, no filme que acompanha seu álbum “When I Get Home”.

De acordo com a revista Smithsonian, um em cada quatro cowboys no fim do século XIX era afro-americano. Em 1860, segundo o censo americano, 30% da população do Texas era de escravos, boa parte da qual trabalhava na atividade dominante do estado, a pecuária bovina. Uma vez libertos, foram contratados pelos ranchos e fazendas. No começo do século 20, havia vaqueiros negros se destacando nos eventos de rodeio. 

Com a migração em massa das populações negras para centros urbanos ao longo do século XX, a presença afro-americana no universo cowboy diminuiu. Depois, os filmes de Hollywood concluíram o apagamento ao retratar um Velho Oeste de cowboys brancos.

Antes de aparecer na parada pop, “Old Town Road” deu as caras no ranking country da Billboard. Imediatamente, houve reclamações pelo fato de a música não ser “country o suficiente”. Para muitos observadores, o problema era a cor do intérprete.

A Billboard aceitou as queixas. Alegou que a música de Lil Nas X não preenchia requisitos estéticos para ser considerada country, e a música foi removida do ranking. Em entrevista ao New York Times, Nas acha que a música foi considerada “diferente” demais para a lista. “Devem ter pensado ‘se a gente permite isso, quem sabe o que pode vir depois?’”.

 

TN - Redação (com informações da G1)

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS