19
Seg, Nov

Bertone: "Parece uma manobra para desviar a atenção do processo Vatileaks

Entrevistas
Tipografia

"Eu não vou ceder diante daqueles que me atacam. Parece uma manobra para desviar a atenção do processo Vatileaks". Através de seu advogado Michele Gentiloni Silveri, Bertone disse que "o que foi publicado em L'Espresso não é contra mim, mas a meu favor: confirma a minha versão dos fatos”. O ex-secretário de Estado da Santa Sé foi desligado de qualquer acusação e argumentou que "não me vou" porque "trinta cardeais têm casas melhores”.

Eis uma sua entrevista publicada pelo jornal italiano Corriere della Sera na seu site na internet: 

 

Da carta que escreveu a Profiti, pode-se deduzir que sabia que Fundação Bambin Gesù  Jesus se estava se movendo para pagar a renovação ...

"Não, pelo contrário, exclui-se qualquer envolvimento económico da Fundação. Escrevi-o explicitamente: se, se encontram contribuições de "terceiros", de benfeitores, tudo bem, mas nada deve ser suportado pela Fundação. Na carta é muito claro. Eu mesmo procurei benfeitores que iriam pagar a renovação de um apartamento que, lembre-se, não é minha, mas propriedade do Governo. Porque se não forem encontrados financiamentos, eu paguei do meu bolso, e caro, com as minhas poupanças”. 

Diz que pagou 300 mil Euros ...

"De fato, de acordo com as faturas que me enviou o Governo. Só então apareceram  pagamentos adicionais, falava-se de duzentos mil, e agora vejo que seria mesmo 422 mil euros, mais que o dobro. Dessas manobras, desta cadeia de pagamentos eu não sabia absolutamente nada. Eu li sobre o faturação fora da Itália, é muito estranho que se combine uma manobra semelhante.... "

E a doação de 150 mil euros que fez depois, em dezembro, ao Bambin Gesù?

"Considerando os danos causados ​​por outros, eu queria fazer uma doação voluntária para apoiar a investigação de doenças raras. É vergonhoso que alguns continuam a falar de "compensação". Eu não devolvi nada, porque eu não roubei nada. A presidente do hospital reconheceu a minha estranheza, o Cardeal Parolin disse que a questão está resolvida. Serão outros a dever responder, eu não estou sob investigação. "

Mas este episódio acaba por tocá-lo também, certo?

"Parece uma manobra evidente para desviar a atenção do processo Vatileaks. Que outra razão teria para sair agora? Bertone sempre faz notícia. "

Falou com o Papa?

“Vi-o na Páscoa, mas nós não falamos sobre isso. Ele cumprimentou-me calorosamente”. 

Fica o apartamento ...

"Se pensar em tudo o que foi escrito ... O apartamento não é um apartamento, por assim dizer: Eu estou no terceiro andar. O terraço é comum, passam todos os inquilinos. Até agradeceram-me pelo trabalho. fi-lo porque estava tão desastrado que a água infiltrava e  quando ainda morava lá chovia no quarto de cama”. 

 Falou-se de 700 metros quadrados, e Sua Eminência diz: não, são 296. O que são ainda muitos, não?

“Foi-me designado de acordo com o Governador e com o Papa. Não é uma questão de ser grande ou pequeno: estava livre. Além disso, os tamanhos dos apartamentos disponíveis tendem a ser grande, uma vez eram feitos assim. Haverá cerca de trinta cardeais que vivem em apartamentos ainda maiores. Por outro lado que se pode fazer, procurar estúdios? Tem idéia de quanto custaria? E aqui não há nada luxuoso. Recuperámos áreas abandonadas. Como expliquei, eu não vivo sozinho, mas com uma comunidade de três irmãs que me ajudam, e o secretário. Há quartos para todos, a biblioteca, o arquivo..."

Que há uma investigação no Vaticano é notável.

"Parece lógico, ainda mais porque, Bambin Gesù é dependente do Vaticano”.

Estão investigando pessoas que Sua Eminência escolheu, seus colaboradores por anos ...

"Não importa, para mim é uma grande tristeza. Mas esperemos que as investigações prossigam, as explicações fornecerão. "

 

Entrevista: Gian Guido Vecchi

Tradução: Redação do Terra Nova