17
Seg, Mai

Covid-19: Cabo Verde regista pela primeira vez cinco óbitos num dia

Sociedade
Tipografia

Cabo Verde registou mais cinco óbitos provocados pela covid-19, o maior número de mortos num só dia desde o início da pandemia no país, que notificou mais 237 novos infetados, divulgou hoje o Ministério da Saúde.

Num total de 1.159 amostras analisadas nas últimas 24 horas pelos laboratórios de virologia do país, foram detetados mais 237 casos novos, numa taxa de positividade de 20,4%, e mais uma vez o maior número foi registado na cidade da Praia (59), na ilha de Santiago.

Ainda na maior ilha do país, foram registados casos em Ribeira Grande e São Domingos, com três cada, Santa Catarina (11), São Salvador do Mundo (4), São Miguel (1), Santa Cruz (7) e São Lourenço dos Órgãos (5).

Na ilha do Fogo há mais três infetados, um cada em São Filipe, Mosteiros e Santa Catarina, enquanto Santo Antão anunciou mais 10, sendo oito na Ribeira Grande, um cada no Paul e no Porto Novo.

Há também mais 74 casos em São Vicente, cinco no Sal, 36 na Boa Vista, cinco no Maio e 11 em Tarrafal de São Nicolau.

Nas últimas 24 horas, foram registados cinco óbitos no país, o maior valor diário no país desde o início da pandemia, dos quais três na Praia, um em São Lourenço dos Órgãos e um em São Vicente.

Com estes dados, o país chegou a um total de 208 pessoas que já morreram por causa de complicações associadas à covid-19, num taxa de letalidade de 0,92%.  

Na habitual conferência de imprensa de balanço da situação epidemiológica no arquipélago, o diretor nacional de Saúde, Jorge Noel Barreto, avançou que há 33 casos suspeitos em todo o país e 41 pessoas internadas nos hospitais, que dá uma taxa de ocupação geral de 60%.  

Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde cabo-verdianas deram alta a mais 321 pessoas, de um total agora de 19.525 casos recuperados (86,4%).

Com os novos dados, o país atingiu um acumulado de 22.586 diagnosticados desde o início da pandemia e há 2.839 casos ativos (12,6%).

No habitual balanço dos últimos 14 dias, o diretor nacional de Saúde, Jorge Barreto, destacou uma piora dos indicadores, com a taxa de incidência acumulada de 592, quando no mesmo período anterior foi de 253.

Também sublinhou que abril é o mês com mais mortes, até agora com 40, quase o dobro registado em março (21).

“Com a identificação de tantos casos, a probabilidade de haver casos graves aumenta e consequentemente a probabilidade de pessoas morrerem por causa da covid-19”, explicou o porta-voz do Ministério da Saúde, que voltou a apelar para o cumprimento das medidas de prevenção da novo coronavírus.