06
Sab, Mar

Covid-19: Vacinados em Cabo Verde vão ter cartão individual e certificado

Sociedade
Tipografia

O plano nacional de vacinação contra a covid-19 em Cabo Verde prevê a emissão de um certificado e de um cartão individual após a administração da vacina, a realizar em todas as estruturas de saúde do país.

O plano nacional de introdução e vacinação contra a covid-19 em Cabo Verde, citado hoje pela Lusa e que estima vacinar 20% da população em 2021 (grupos prioritários), estabelece a emissão de um comprovativo da vacinação, que será gratuita, através de três modalidades.

Desde logo será feita a emissão de um certificado e cartão de vacinação individual, impresso “imediatamente após o registo da administração da vacina” no sistema oficial, através do envio de um certificado digital de vacinação por correio eletrónico ou ainda pelo portal www.covid-19.cv.

Prevê ainda que o certificado e o cartão de vacinação devem conter, além da identificação individual, data da vacinação, dados sobre cada dose da vacina e reforços, bem como informação do fabricante, lote e número de série.

O processo de vacinação implicará ainda uma campanha de divulgação através dos meios de comunicação social, mas também o envio de mensagens de telemóvel (SMS) generalizadas e outras campanhas mediáticas de mobilização da população.

O plano nacional de introdução e vacinação contra a covid-19 em Cabo Verde, que terá um custo de quase 2,5 milhões de dólares (dois milhões de euros), o qual não inclui a aquisição de vacinas - em 2021 será financiado pelo Banco Mundial em cerca de quatro milhões de euros -, prevê a adoção de uma “estratégia de postos fixos, próximos à população-alvo, para reduzir o tempo de deslocação, minimizar custos e garantir a logística”.

Será dada prioridade à “sensibilização para grupos-alvo” de forma “a reduzir o tempo de deslocação, minimizar custos e garantir a logística”.

“A sensibilização para grupos-alvo em geral incluirá recenseamento, grupos de discussão, encontros comunitários e institucional, de modo a maximizar a adesão. Os postos de vacinação serão constituídos pelas estruturas de saúde, nomeadamente centros de saúde, postos sanitários, hospitais, entre outros”, define o plano.

Embora sem concretizar sobre a origem dos fornecimentos da vacina, este plano define que é necessária a aquisição de 267.293 doses para a população alvo prioritária, num total de 111.372 pessoas, assumindo o objetivo de vacinar até 2023 um total de 60% da população, sendo 20% em 2021, 20% em 2022 e 20% em 2023.

Dentro do grupo prioritário de vacinação que vai cobrir 20% da população, o plano estima vacinar este ano 4.272 profissionais de saúde, 24.500 doentes crónicos (hipertensão arterial e diabetes), 40.000 idosos (com 60 ou mais anos), 11.280 profissionais hoteleiros ou ligados ao turismo, 1.500 profissionais dos pontos de entrada internacionais, 20.000 professores e de apoio ao funcionamento das escolas, 7.000 agentes da Polícia Nacional, 2.500 militares e 320 elementos da proteção civil e bombeiros.