21
Ter, Jan

"Nunca mais a violência, nunca mais o ódio", pede o Bispo de Bragança, evocando Luís Giovani

Sociedade
Tipografia

Mais de duas mil pessoas percorreram a cidade portuguesa dos Trás-dos-Montes para recordar Luís Giovani Rodrigues.

 

O bispo da Diocese Bragança-Miranda associou-se ontem, sábado, à marcha silenciosa, em solidariedade com o jovem Luís Giovani Rodrigues, que faleceu a 31 de dezembro, na sequência de agressões sofridas 10 dias antes.

“Nunca mais a violência! Nunca mais o ódio! Sim a mais fraternidade! Sim a mais Paz! Sim a mais cultura da Vida e do Amor”, pediu D. José Cordeiro, na homilia da Missa a que presidiu, no final da iniciativa.

O responsável católico assinalou que a Igreja Católica não poderia ficar “indiferente” a esta iniciativa dos “irmãos e amigos estudantes africanos e do Instituto Politécnico de Bragança.

“Queridos Jovens, muito e muito obrigado pelo vosso testemunho de fé, de fraternidade e de Esperança”, declarou, numa intervenção divulgada, online, pela diocese transmontana.

A Marcha Solidária saiu do Instituto Politécnico de Bragança, percorrendo as artérias da cidade, antes da celebração da Eucaristia, às 17h00, na Catedral local; a homenagem incluiu uma vigília, acompanhada, simbolicamente, por velas e flores, na Praça da Sé.

Na Missa a que presidiu, D. José Cordeiro sustentou que “Bragança é cada vez mais uma cidade internacional e multicultural, sendo a diversidade uma enorme riqueza”.

“De todos depende, simultaneamente, que a nossa cidade seja cada vez mais uma terra de paz, de justiça, de diálogo, de boa convivência, de reconciliação e de harmonia social com uma cidadania ativa, inclusiva e corresponsável”, acrescentou.

TN com RR