17
Seg, Jan

Cabo Verde regista aumento de consumo de Álcool nas mulheres – OMS

Sociedade
Tipografia

O representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Cabo Verde alertou esta segunda-feira para o aumento de consumo abusivo de álcool nas mulheres, no arquipélago, considerando esta preocupação neste estrato da sociedade “muito alarmante e perigosa”.

Mariano Castellon falava na cerimónia de abertura encontro nacional de preparação de respostas sobre o álcool e outras drogas que decorre de hoje a quarta-feira, na Cidade da Praia.

Segundo este responsável, o problema de uso e consumo abusivo do álcool nessa camada que designou de “coluna da nossa sociedade”, é “uma pandemia” e avisou ainda que as mulheres estão a tornar-se protagonistas desta epidemia.

“O alcoolismo é um problema complexo e as suas raízes e expressões se ramificam e se entrelaçam em dimensões diversas e complementares de ordem económica, social e cultural”, considerou.

A produção legal e ilegal, comercialização lítica e ilícita e o consumo abusivo são, no entender do representante da OMS, simultaneamente, “um turbilhão de acumulação de riquezas, mas também, um elo de distribuição de uma dívida social que gera um grande prejuízo pessoal, social e familiar”.

Cabo Verde tem que superar a maldição que têm os pequenos estados insulares, afirmou, acrescentando que o “grande desafio” do arquipélago é aceitar que o alcoolismo é uma epidemia nacional para que possa resolver este “dilema”.

O cenário em Cabo Verde relativamente ao álcool “é alarmante”, afirmou, indicando que esta preocupação deve-se ao facto de o acesso ser fácil, o envolvimento dos adolescentes no consumo em idades cada vez mais precoces, a falta de fiscalização das leis e o aumento da violência, consequência negativa na saúde e acidentes rodoviários.

“Um dos grandes desafios da produção e consumo do álcool é que se trata de uma pratica enraizada na cultura e aceite pela sociedade cabo-verdiana”, criticou.

Por isso, apelou as autoridades competentes a continuarem a reforçar a liderança, consciência social e o compromisso em torno do uso abusivo de álcool como parte da agenda do sector da saúde e da agenda política e social do país.

Melhorar as respostas da saúde e das acções comunitárias, tomar medidas e contra-medidas eficazes para eliminação do álcool na condução, regular o seu acesso e adoptar medidas restritivas para a publicidade que promove o consumo, bem como aumentar impostos nas bebidas, são algumas propostas de Mariano Castellon para reduzir os problemas desta “pandemia”.

O encontro, promovido pelo Ministério da Saúde e da Segurança Social, tem com pano de fundo a reflexão e a partilha de informações e de experiências sobre os instrumentos, os modelos e as abordagens de intervenção, com foco nas áreas da prevenção do tratamento e da reinserção social, envolvendo actores de todos os sectores com relevantes intervenções sobre estas problemáticas.

Durante a reunião serão fornecidas recomendações e indicações precisas para a acção que deverão ser operacionalizadas já no início de 2017, ficando estas sujeitas a um estreito seguimento no processo de implementação, de monitorização e de avaliação em seguida.

 

 TN - Redação