22
Sab, Fev

Coronavírus: o que caracteriza uma emergência internacional

Saúde
Tipografia

Declaração da Organização Mundial de Saúde deu-se após vírus ser transmitido entre pessoas que não estiveram na China. Alerta do tipo ocorreu em 2016 devido ao zika. 

Devido à disseminação do coronavírus chinês fora de seu território de origem, a OMS (Organização Mundial de Saúde) classificou na quinta-feira (30) o surto da doença como emergência de saúde pública de interesse internacional.

A entidade tinha considerado prematura uma declaração do tipo em 23 de janeiro. Agora, convocou novamente seu comité de emergência e mudou de posicionamento pelo fato de o vírus ter chegado a outros 18 países. Na Alemanha, Japão, Vietnã e Estados Unidos, o vírus foi detectado em pessoas que não estiveram na China. Isso significa que houve transmissão interna nesses lugares, o que preocupou a OMS.

Os primeiros casos apareceram no final de dezembro de 2019 em Wuhan, cidade com 11 milhões de habitantes na China. No início de janeiro, o governo chinês anunciou a descoberta de um novo tipo de coronavírus, o 2019-nCoV, cuja família é conhecida desde os anos 1960. Os tipos mais comuns que circulam entre humanos causam sintomas de gripe comum.

Dois dias depois de anunciar a descoberta, a China compartilhou a sequência genética do vírus, numa atitude que foi elogiada pela rapidez. O país já tinha sido criticado por esconder informações durante a epidemia de Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave) em 2003, causada por outro tipo de coronavírus. Na ocasião, mais de 8.000 pessoas foram infectadas e outras 774 morreram.

Do total de pessoas infectadas no mundo, 98% delas estão na China, indicando que o nível de contaminação em outros países ainda é baixo.

A OMS disse considerar que não havia necessidade de impor medidas para restringir viagens e comércio internacionais. O órgão faz apenas recomendações sobre viagens, quarentena, triagem e tratamento, além de estabelecer protocolos básicos de ação. Alguns países já vinham desaconselhando viagens para o país asiático.

“Embora esse número [de pessoas infectadas em outros países] seja relativamente pequeno em comparação com o registrado na China, devemos agir juntos agora para limitar uma futura propagação. Não sabemos o tipo de dano que esse novo coronavírus pode causar se ele se espalhar por um país com um sistema de saúde mais frágil. Precisamos agir agora para ajudar os países a se preparar para essa possibilidade. Por todas essas razões, declaro emergência de saúde pública de interesse internacional”

Tedros Adhanom Ghebreyesus

Diretor-geral da OMS

 

As infecções têm sido observadas especialmente em países do hemisfério norte, que estão no inverno. Em entrevista ao Nexo, o virologista Edison Durigon, professor do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, disse que a disseminação em regiões de clima quente é mais difícil. Por isso, segundo o professor, as chances de uma epidemia no Brasil, no momento, são pequenas.

O que é a emergência internacional

O conceito de emergência de saúde pública de interesse internacional surgiu em 2005 com a aprovação, em assembléia da OMS, do Regulamento Sanitário Internacional. Esse instrumento jurídico que envolve 196 países tem como objetivo ajudá-los a “prevenir, proteger, controlar e dar uma resposta de saúde pública contra a propagação internacional de doenças”.

As medidas a serem tomadas devem buscar não interferir no tráfego e no comércio internacionais. O medo do impacto da crise na economia global e o anúncio dos Estados Unidos da primeira transmissão interna da infecção fizeram as bolsas fecharem em queda na quinta-feira (30). A situação tende a afetar principalmente empresas que dependem do turismo e companhias aéreas.

Declarar emergência de saúde global é raro e não tem força de lei. Quando isso acontece, significa que houve “um evento extraordinário que pode constituir um risco de saúde pública a outros países por meio da disseminação de doenças e que potencialmente requer uma resposta internacional coordenada”.

A emergência, portanto, ocorre em situações graves, repentinas, incomuns e inesperadas, que têm implicação na saúde pública para além das fronteiras do país afetado e requer imediata ação internacional.

As decisões tomadas para combater as doenças ficam a cargo do governo de cada país. São eles que decidem se fecham fronteiras (o que a Rússia decidiu fazer em relação à China) ou cancelam voos, por exemplo.

Com o anúncio de emergência em relação ao coronavírus chinês, foi a sexta vez desde 2005 em que a OMS declaração uma situação do tipo.

As anteriores foram:

2009: gripe H1N1

2014: poliomielite

2014: ebola

2016: zika vírus

2019: ebola

Situação de Cabo Verde

Até hoje, sexta feira (31), o país não tinha nenhum caso confirmado do coronavírus chinês, contudo, a partir de hoje, começam a chegar estudantes que vivem na China mas o O Primeiro Ministro, Ulisses Correia e Silva, garantiu que o país está preparado para receber estudantes ou outras pessoas que chegam da China. Ulisses Correia e Silva adianta que as autoridades sanitárias estão a acompanhar com atenção o evoluir da situação. O chefe do governo avança que o Hospital Agostinho Neto está preparado para acolher os estudantes que por conta própria poderão chegar ao país nas próximas horas, conforme informações avançadas pela imprensa nacional.

  

TN - com informações de Agências internacionais 

 

 

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS