22
Qui, Out

O que move a 75ª Assembleia-Geral da ONU em Nova York

Internacional
Tipografia

Discursos de chefes de Estado e governo serão virtuais. Cabo Verde será representado pelo PM Ulisses Correia e Silva que deverá intervir no dia 26.

 

Em 2020, a ONU (Organização das Nações Unidas) comemora 75 anos. Num contexto de pandemia do novo coronavírus, sua Assembleia-Geral será virtual, com chefes de Estado e governo a discursar remotamente em vídeos exibidos em Nova York, sede da da instituição.

O evento com os líderes mundiais começa nesta terça-feira (22). Nos dias seguintes, a Assembleia-Geral promoverá reuniões sobre biodiversidade, direitos das mulheres, eliminação das armas nucleares, financiamento do desenvolvimento sustentável no cenário de pandemia e mudanças climáticas.

Dos encontros devem resultar declarações em que os países atestam seu compromisso com as questões da pauta. Também podem propor frentes de atuação, como a elaboração de novos tratados ou a criação de grupos de trabalho para analisarem um tema durante o ano.

O papel da Assembleia-Geral

A Assembleia-Geral reúne os 193 membros da organização e confere a todos eles o mesmo peso de voto, em resoluções sobre os mais variados temas da política e do direito internacional.

Na nova sessão de trabalhos, presidida pelo diplomata turco Volkan Bozkir, o tema central será “a reafirmação do compromisso coletivo com o multilateralismo”, especialmente no combate à pandemia do novo coronavírus.

Diferentemente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que pode estabelecer sanções económicas e determinar o uso da força contra um país, a Assembleia-Geral não tem poder para fazer com que os Estados-membros cumpram suas orientações. Mas funciona como um foro de discussão e de pressão internacional.

É na Assembleia-Geral também que são votados assuntos administrativos, como o orçamento da entidade, o funcionamento dos órgãos e agências do sistema ONU e a escolha dos membros não permanentes do Conselho de Segurança (o órgão responsável por assuntos de paz e segurança internacionais).

 

TN com Inforpress e Nexo