21
Ter, Jan

Cabo Verde celebra Dia da Liberdade e da Democracia com sessão solene e outras actividades

Internacional
Tipografia

Cabo Verde celebra segunda-feira, pela quarta vez consecutiva, o 13 de janeiro, Dia da Liberdade e Democracia, com uma sessão solene especial no parlamento e com outras actividades um pouco por todo o país.

O 13 de Janeiro, que já é feriado nacional, é a data em que, pela primeira vez, em 1991, os cabo-verdianos exerceram o seu direito de voto nas primeiras eleições multipartidárias, após 16 anos em regime de partido único.

As primeiras eleições multipartidárias no arquipélago, realizadas em 1991, foram ganhas pelo Movimento para a Democracia (MpD), partido que regressou em 2016 ao poder após 15 anos na oposição.

A lei que estabelece a sessão parlamentar foi proposta pelo MpD e aprovada com votos a favor desse mesmo partido e contra do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) e abstenção da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID, oposição).

Tal como o 05 de Julho, dia da Independência Nacional, o 13 de Janeiro passou assim a ser assinalado com uma sessão solene na Assembleia Nacional, aberta ao público e transmitida integralmente pela televisão e rádio públicas.

O acto a ser realizado na Assembleia Nacional, na Cidade da Praia, contará com a presença das mais altas entidades do Estado, será presidido pelo Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, mas vão ainda usar da palavra o presidente da Assembleia Nacional, Jorge Santos, e os representantes dos partidos com assento parlamentar.

Além da sessão solene, os 29 anos da democracia e da liberdade vão ser assinalados com várias outras actividades no país e na diáspora cabo-verdiana.

A Presidência da República vai iniciar uma série de actividades enquadradas na tradicional “Semana da República”, que vai até 20 de Janeiro, Dia dos Heróis Nacionais, em que se assinala mais um aniversário do assassínio de Amílcar Cabral.

A Câmara Municipal da Praia vai realizar a tradicional Corrida de Liberdade, que este ano terá como padrinho o antigo jogador de futebol e capitão do Sport Lisboa e Benfica, Luisão.

Este ano, participam na Corrida de Liberdade atletas do Senegal e de Portugal, mas também da diáspora, nomeadamente França, Portugal, Estados Unidos, entre outros.