27
Sex, Nov

A mobilidade na CPLP fica beliscada com recusa de vistos a atletas, afirma o PAICV

Política
Tipografia

O PAICV considerou esta quarta-feira que o dossier sobre a mobilidade na CPLP ficou “seriamente comprometida, ou pelo mesmo beliscada”, com a recusa de vistos a jogadores de andebol para um estágio em Portugal. 

“Não devemos perder de vista que o dossier mais emblemático e mais importante da agenda da presidência de Cabo Verde da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa) é a questão da mobilidade que acabou por ficar seriamente comprometida, ou pelo mesmo beliscada, com este incidente da recusa de visto aos atletas de uma das nossas seleções”, considerou o partido. 

A posição foi assumida numa declaração política no parlamento pelo líder parlamentar do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), Rui Semedo, que começou por salientar que a recusa por parte do Centro Comum de Visto (CCV), gerido por Portugal, aconteceu num contexto em que Cabo Verde tem uma parceria especial com a União Europeia. 

E lembrou que Cabo Verde tem assinado com a União Europeia uma parceria para a mobilidade, em que são dispensados vistos para a visita ao país e que detém a presidência da CPLP.

“O que terá passado? Que erros foram cometidos? O quê que deveria ter sido feito e não se fez?”, questionou Rui Semedo.

“Por mais que se esforce não se compreende porquê que se recusa vistos ao Estado de Cabo Verde, porque é disso mesmo que se trata, uma vez que os atletas estão indicados para representar o país”, prosseguiu o dirigente partidário.

Para o líder parlamentar, a seleção de Cabo Verde não é um grupo, mas sim um conjunto credenciado para representar, ao nível desportivo mais elevado, as cores e os símbolos nacionais, incorporando ou carregando consigo a alma da Nação.

“Esta questão não se resolve apenas com a manifestação da indignação ou a proclamação da solidariedade do Instituto do Desporto e da Juventude (IDJ) ou ainda com a comunicação ao país do Ministro do Desporto manifestando a sua impotência perante todas as suas infrutíferas diligências”, manifestou.

O presidente do grupo parlamentar pediu, por isso, ao Governo “uma explicação responsável, clara e convincente” sobre o que terá passado, com uma garantia que atos do género não voltarão a acontecer.

Para Rui Semedo, a participação de uma seleção de um país é uma representação externa deste mesmo país, que precisa de uma “retaguarda forte” garantida pelo Estado com todos os seus recursos institucionais, logísticos e administrativos.

“E aqui a pergunta que fica é onde estava o Ministro dos Negócios Estrangeiros que deveria abrir os caminhos, facilitar os acessos e garantir as ligações institucionais necessários com os países para evitar este vexame?”, voltou a questionar o dirigente partidário

 

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS