19
Dom, Ago

“A situação dos transportes aéreos é agora pior do que antes”: José Luís Neves

Política
Tipografia

A opinião é de José Luís Neves, secretário da Câmara do Comércio e Serviços de Sotavento, expressa esta noite, durante o Jornal de Domingo da TCV. 

 

Para Neves, de facto, o Governo encontrou uma situação difícil nos TACV, agora Cabo Verde Airlines, e tentou, “propalou”, um conjunto de medidas em vista à resolução da situação. Só que agora, segundo diz, "a situação é pior do que aquela que o Governo encontrou”. 

O analista questiona o êxito de determinadas medidas anunciadas pelo Governo.  “Onde estão os 11 aviões que foram anunciados e que chegariam? o Governo anunciou isto com pompa e circunstâncias e o que tivemos é o cancelamento de 60 voos e cerca de 7500 passageiros afectados”, diz o convidado do Jornal de Domingo. 

Mas as preocupações de José Luis Neves não ficaram por aí, segundo refere na sua análise, “TACV corre o risco de perder o certificado da aviação, ICAO”. Também o “tão propalado Hub da ilha do Sal” com toda esta situação preocupa o secretário da CCSS que considera que “a questão da restruturação deixou os recursos humanos numa situação de grande indefinição e incerteza". O desmantelamento de todo o sistema de manutenção de aviões que era um dos pontos fortes da companhia e que era uma vantagem competitiva na nossa sub-região, são situações, para além, da “clara diminuição da circulações de pessoas e bens” que levam Neves a propor a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para analisar apenas “esta questão de reestruturação dos TACV”.

Por estas razões, José Luís Neves é peremptório em considerar que “os TACV estão a passar os seus piores momentos e há uma grande assimetria de informação em relação a toda a restruturação, aos contratos assinados com a Binter, coma Icelandair com grandes discrepâncias e contradições nas afirmações tanto do PM como do Vice-PM e do ministro da economia”. 

Assim, para Neves, é urgente o Governo dar todas os esclarecimentos sobre estas situações porque “a questão das ligações aéreas é extremamente sensível para Cabo Verde”. 

 

TN - Redação

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS